Arquivos

Arquivo por Autor

Semântica dos modos e tempos verbais


In principio erat uerbum

Passaremos a estudar agora o verbo, sob o ponto de vista da semântica.

1.1 Mas o que é semântica?

Quando falamos em semântica, falamos em significação. Ora, quando digo que vamos estudar a semântica dos modos e tempos verbais, quero dizer que estudaremos o que eles significam, quais os significados que carregam.

Estudaremos as semânticas dos modos e tempos verbais, isto quer dizer que estudaremos o que cada modo e cada tempo significam.

2. Semântica dos MODOS e TEMPOS verbais

O modo verbal é aquilo que vai mostrar minha posição de dúvida, de certeza, de desejo, de ordem a respeito da ação expressa pelo verbo. Vamos ver como funciona na prática?

2.1 Modo Imperativo

O que é imperar? Segundo o dicionário é dominar, governar, reinar, estabelecer. Pensando assim, entendemos a semântica (agora que já sabemos que semântica é o mesmo que significação) deste modo. O imperativo é o modo que dá uma ordem, um conselho, uma dica, uma súplica, uma sugestão ou faz um pedido.

Ex.: Faça o dever.
Leia com atenção.
Pare.
Não faça isso.
Não confiemos tanto nas pessoas.
Não desistamos de nossos ideais.

~> Estudamos o tipo textual injuntivo e vemos que ele é o tipo textual usado por quem dá uma ordem. Dissemos que ele utiliza o modo verbal imperativo. Agora tudo ficou mais claro, não?

~> Outra observação a respeito do imperativo é a confusão que podemos fazer ao usá-lo no “nós”, por não estarmos acostumados a conjuga-lo desta maneira. Uma dica é transpor para a segunda ou terceira pessoa do singular, para que vejamos com mais clareza que é uma forma imperativa e não confundamos com o subjuntivo. Além disso, veremos mais à frente que o subjuntivo depende sempre de uma subordinação, o que não ocorre com o subjuntivo.

Não desistamos de nossos ideais. ~> Não desista de seus ideais.
Não confiemos tanto nas pessoas. ~> Não confie tanto nas pessoas.

O modo imperativo é formado a partir do presente do indicativo e ele não se subdivide em tempos.

2.2 Modo Subjuntivo

O modo subjuntivo está ligado à subjetividade. Subjetividade diz respeito aos nossos julgamentos de valor, às nossas opiniões, à nossa singularidade de pensamento. O modo subjuntivo sempre vai exprimir uma avaliação subjetiva das ações expressas pelo verbo; portanto, ele é o modo da incerteza, do desejo, da possibilidade. A semântica do subjuntivo nunca será de certeza, mas sempre de possibilidade, dúvida, irrealidade.

Ex.: Espero que ele venha.
Quero que ele venha.
Se ele viesse seria muito bom.
Se você fizesse o dever regularmente, tudo seria mais fácil.

~> Como já dissemos antes, o verbo no subjuntivo tem uma particularidade. Ele ocorre somente em estruturas subordinadas. O que isso quer dizer? Isso quer dizer que ele vai aparecer em uma estrutura dependente de um outro verbo – quero (verbo do qual o subjuntivo depende) que ele venha (subjuntivo), ou dependente de um nome – talvez (nome do qual o subjuntivo depende) ele venha (subjuntivo).

~> O modo subjuntivo se subdivide em três tempos: presente, futuro e pretérito imperfeito. Não daremos tanta importância à semântica desses tempos pois não é o foco do vestibular; falaremos apenas das marcas formais que os identificam.

2.2.1 Presente do Subjuntivo

Marcas formais que o identificam: E/A
Ex.: Quero que você trabalhe.
Tomara que ele venha.

2.2.2 Futuro do Subjuntivo

Marca formal que o identifica: R
Ex.: Quando eu chegar, abra a porta.
Se eu for, te avisarei antes.

2.2.2 Pretérito Imperfeito do Subjuntivo

Marcas formais que o identificam: SSE
Ex.:
Se você deixasse, eu iria.
Se eu pudesse, eu faria.

2.3 Modo Indicativo

O modo indicativo é o mais versátil. Ele é o único que afirma, que fala com certeza. Porém, isso não impede que ele possa trabalhar também com a dúvida e com a possibilidade.

Ex.: Eu sei que ele vem.
Eu acho que tudo dará certo.
Eu fiz todo o dever.
Eu não saí ontem.

Além disso, vimos que o modo subjuntivo somente ocorre em uma estrutura subordinada, dependente de um nome ou de um outro verbo. O indicativo, por sua vez, pode ou não ocorrer em uma estrutura subordinada.

Ex.: Eu não sei nada da matéria! (estrutura sem subordinação, não depende de nenhuma outra)
Eu quero que tudo certo.

O está subordinado ao verbo quero, não poderia existir sem ele. Não existe a frase tudo dê certo, parece que falta algo, não é? Essa sensação de que falta algo é por causa da subordinação.

O modo indicativo se divide em presente, pretérito e futuro e os tempos pretérito e futuro se subdividem também. Vamos ver.

2.3.1 Presente do Indicativo

Tempo verbal é a categoria que indica quando aconteceu a ação expressa pelo verbo, em relação a outro marco temporal. Em geral, os fatos são considerados no tempo em relação à enunciação, ou seja, ao momento em que se fala. Porém, há dois tempos no modo indicativo um pouco diferentes e que veremos mais à frente. Por enquanto, vamos nos deter ao presente do indicativo.

Vimos que o modo indicativo é o mais versátil, devido às variadas semânticas que ele possui em relação aos outros modos. Agora vamos ver que o presente do indicativo é o tempo mais versátil em relação aos outros tempos, é o que possui a maior quantidade de possibilidades semânticas, é o que pode adquirir maior quantidade de significados.

a) Rotina

O presente do indicativo pode indicar um fato rotineiro, que costuma acontecer com frequência.

Ex.: Sempre acordo às 6 da manhã.
Eu estudo todos os dias.

b) Fato simultâneo ao momento da fala

O presente do indicativo pode indicar um fato que está acontecendo no momento em que se fala.

Ex.: Vagner Love chuta a bola para o gol.
Estou na casa de uma amiga.

c) Passado

O presente do indicativo pode indicar um fato que já ocorreu. Em geral, o tipo textual narrativo usa muito o presente com a intenção de aproximar a história do leitor, fazer com que o leitor sinta que está assistindo à história, participando dela.

Ex.: Em 1808, a família real chega ao Brasil.
Após falar isso, Isabela sai, sem ao menos olhar pra trás.

d) Futuro

O presente do indicativo pode indicar um fato que ainda vai ocorrer, este uso é muito comum na linguagem coloquial, no nosso falar cotidiano.

Ex.: Na próxima semana eu vou à sua casa.
Amanhã eu te ligo sem falta.

e) Verdade absoluta

O presente do indicativo pode indicar uma verdade absoluta, um fato constante e que todos concordam, uma verdade universal.

Ex.: A terra gira em torno do sol.
A água ferve a 100ºC.

2.3.2 Pretérito Perfeito do Indicativo

O pretérito perfeito do indicativo, assim como o presente do indicativo, não possui marca formal de modo ou tempo que o identifique. Passemos, então, à análise de seus possíveis significados.

O pretérito perfeito do indicativo é o tempo que indica um passado pontual, um fato que aconteceu e já está acabado. Porém, ele pode também indicar um fato com aspecto durativo, com uma semântica de continuidade. Vejamos.

a) Fato pontual no passado

Fato pontual no passado é um fato que aconteceu em um momento e terminou, não teve uma duração estendida, sendo, por isto, pontual.

Ex.: Ele pulou alto.
Joguei futebol ontem.

b) Fato durativo no passado

Fato durativo é aquele que teve uma duração, ou seja, ocorreu durante algum tempo, mesmo que pequeno.

Ex.: Falei no telefone por horas.
Ela leu durante três horas.

2.3.3 Pretérito Imperfeito do Indicativo

Enquanto o pretérito perfeito pode indicar uma ação que foi concluída no passado, com aspecto durativo ou não, o pretérito imperfeito só pode indicar uma ação com aspecto durativo, uma ação que ocorreu por certo tempo, por isso se chama imperfeito, pois a ação que ele indica não foi finalizada imediatamente, mas demorou algum tempo para ser finalizada ou a ação costumava acontecer.

Ex.: Eu jogava bola todos os dias.
Eu lia muito na biblioteca.

Marcas formais que o identificam: VA/VE/IA/IE

Ex.: Eu cantava muito no karaokê antigamente.
Vós faláveis demais.
Ela lia sem parar Harry Potter.
Vós vendíeis bem antigamente.

2.3.4 Pretérito Mais Que Perfeito do Indicativo

Quando começamos nossa conversa sobre tempo verbal, dissemos que a maioria dos tempos se refere ao momento em que se fala, porém temos exceções. São duas as exceções, uma é o futuro do pretérito, que veremos mais à frente e a outra exceção é o pretérito mais que perfeito. Esses dois tempos não se referem ao momento da enunciação, ou seja, ao momento em que se fala, mas se referem a um momento indicado por um outro verbo.

O pretérito mais que perfeito do indicativo não está em relação ao momento da fala, mas a um outro verbo também no pretérito. A ação que o pretérito mais que perfeito indica, ocorreu antes de uma outra, também no passado, por isso ele é chamado de pretérito mais que perfeito, pois ele é passado em relação a um outro fato também ocorrido no passado.

Ex.: O pai chegou ao local em que o acidente acontecera.

A ação expressa pelo verbo no pretérito mais que perfeito acontecera, ocorreu antes da ação expressa pelo verbo no pretérito perfeito chegou.

Ex.: Ela já fizera o que lhe pedi quando lhe telefonei.
Nós já partíramos quando você chegou, desculpe-nos!

~> Atualmente, o pretérito mais que perfeito não é utilizado na fala e tem sido pouco utilizado, inclusive, na escrita, se restringindo à linguagem poética (Pudera não ser tão voluptuosa!); na fala, tende a ser substituído por uma locução de particípio com verbo auxiliar ter ou haver no pretérito imperfeito:

Ex.: Ela já fora quando eu cheguei. (pretérito mais que perfeito)
Ela já tinha ido quando eu cheguei. (locução verbal: auxiliar ter no pretérito imperfeito + particípio)

Ele já fizera o trabalho quando lhe telefonei. (pretérito mais que perfeito)
Ele já havia feito o trabalho quando lhe telefonei. (locução verbal: auxiliar haver no pretérito imperfeito + particípio)

~> O pretérito mais que perfeito tem outra particularidade. Além de ele ocorrer em relação a um outro passado, ele pode também ocorrer em expressões exclamativas, algumas cristalizadas, como, por exemplo, Quem me dera! Algumas dessas expressões exclamativas ainda permanecem em uso.

Marcas formais que o identificam: RA/RE (átonos)

Ex.: Eu já fizera todo o trabalho sozinha quando você me ofereceu ajuda.
Vós vendêreis todo o estoque antes de o novo chegar.

2.3.5 Futuro do Presente do Indicativo

O futuro do presente do indicativo representa uma ação posterior ao momento em que se fala. Ele pode ter três semânticas. Vejamos

a) Futuro em relação ao momento em que se fala

O futuro do presente pode indicar um fato que ocorrerá após o momento da enunciação

Ex.: Amanhã vencerei o jogo, não há dúvida.
Amanhã irei à sua casa pela manhã.

b) Dúvida

O futuro do presente pode indicar dúvida de quem fala em relação a um fato. Ocorre em frases interrogativas.

Ex.: Será ela a pessoa certa?
Tudo dará certo amanhã?

c) Ordem

O futuro do presente pode indicar uma ordem, equivalendo semanticamente ao imperativo.

Ex.: Não matarás.
Não roubarás.

Marcas formais que identificam o futuro do presente do indicativo: RA/RE (tônicos)

Ex.: Amanhã estudarei o dia inteiro.
Tem certeza de que fa isso?

2.3.6 Futuro do Pretérito do Indicativo

O futuro do pretérito não indica um fato futuro em relação ao momento da enunciação, mas um fato futuro em relação a um fato expresso por um outro verbo. Por isso se chama futuro do pretérito, pois ocorreu depois de uma ação do passado; é futuro em relação a esta ação.

Ex.: Eu sabia que ela iria à casa de minha amiga.

O verbo no futuro do pretérito iria refere-se a um fato que aconteceu depois do fato expresso pelo verbo no pretérito imperfeito sabia. Ir, portanto, é futuro em relação a saber.

Ex.: Eu tinha certeza de que ela faria isso.
Ele contaria tudo se eu não chegasse a tempo.

~> Atualmente, o futuro do pretérito não é utilizado na fala, sendo substituído pelo pretérito imperfeito do indicativo:

Ex.: Eu sabia que ela iria à casa de minha amiga. (futuro do pretérito)
Eu sabia que ela ia à casa de minha amiga. (pretérito imperfeito)

Se ele soubesse os detalhes, contaria-me tudo. (futuro do pretérito)
Se ele soubesse de detalhes, contava-me tudo. (pretérito imperfeito)

O futuro do pretérito pode ter, ainda, outras significações

a) Polidez

O futuro do pretérito pode ser utilizado para pedir um favor, fazer uma solicitação de forma educada.

Ex.: Você me emprestaria sua caneta?
Você me faria esse favor?

b) Dúvida

O futuro do pretérito poder indicar dúvida, incerteza.

Ex.: Seria ela a pessoa ideal para o cargo?
Seríamos nós os vencedores?

c) Afastamento do que está sendo dito

O futuro do pretérito pode ser utilizado com a finalidade de afastamento do que se diz, o enunciador (quem fala) produz uma sentença de dúvida, mas como se aquela opinião não fosse dele, como se aquela opinião fosse de outras pessoas e ele apenas a estaria transmitindo.

Ex.: Segundo alguns disseram, João seria o culpado.
Ana disse que Mariana viria aqui, eu não sei.

Marcas formais que identificam o futuro do presente do indicativo: RIA/RIE

Ex.: Ele acreditou que chegaria a tempo.
Comeríeis melhor se não fosseis a um restaurante fast food.

CategoriasPortuguês

Questões de vestibular comentadas

à Estratégias Argumentativas (P. 30, 33 e 34)

Texto para as questões 1 e 2

 

Herói na contemporaneidade

 

            Quando eu era criança, passava todo o tempo desenhando super-heróis.

Recorro ao historiador de mitologia Joseph Campbell, que diferenciava as duas figuras públicas: o herói (figura pública antiga) e a celebridade (a figura pública moderna). Enquanto a celebridade se populariza por viver para si mesma, o herói assim se tornava por viver servindo sua comunidade. Todo super-herói deve atravessar alguma via crucis. Gandhi, líder pacifista indiano, disse que, quanto maior nosso sacrifício, maior será nossa conquista. Como Hércules, como Batman.

Toda história em quadrinhos traz em si alguma coisa de industrial e marginal, ao mesmo tempo e sob o mesmo aspecto. Os filmes de super-herói, ainda que transpondo essa cultura para a grande e famigerada indústria, realizam uma outra façanha, que provavelmente sem eles não ocorreria: a formação de novas mitologias reafirmando os mesmos ideais heróicos da Antiguidade para o homem moderno. O cineasta italiano Fellini afirmou uma vez que Stan Lee, o criador da editora Marvel e de diversos heróis populares, era o Homero dos quadrinhos.

Toda boa história de super-herói é uma história de exclusão social. Homem-Aranha é um nerd, Hulk é um monstro amaldiçoado, Demolidor é um deficiente, os X-Men são indivíduos excepcionais, Batman é um órfão, Super-Homem é um alienígena expatriado. São todos símbolos da solidão, da sobrevivência e da abnegação humana.

Não se ama um herói pelos seus poderes, mas pela sua dor. Nossos olhos podem até se voltar a eles por suas habilidades fantásticas, mas é na humanidade que eles crescem dentro do gosto popular. Os superheróis que não sofrem ou simplesmente trabalham para o sistema vigente tendem a se tornar meio bobos, como o Tocha-Humana ou o Capitão América.

Hulk e Homem-Aranha são seres que criticam a inconsequência da ciência, com sua energia atômica e suas experiências genéticas. Os X-Men nos advertem para a educação inclusiva. Super-Homem é aquele que mais se aproxima de Jesus Cristo, e por isso talvez seja o mais popular de todos, em seu sacrifício solitário em defesa dos seres humanos, mas também tem algo de Aquiles, com seu calcanhar que é a kriptonita. Humano e super-herói, como Gandhi.

Não houve nenhuma literatura que tenha me marcado mais do que essas histórias em quadrinhos. Eu raramente as leio hoje em dia, mas quando assisto a bons filmes de super-heróis eu lembro que todos temos um lado ingênuo e bom, que pode ser capaz de suportar a dor da solidão por um princípio.

CHUÍ, Fernando. Adaptado de http://fernandochui.blogspot.com

1) (Uerj / 2009–Exame de Qualificação) A argumentação se estrutura por meio de diferentes mecanismos discursivos. No quarto parágrafo, o mecanismo empregado consiste na apresentação de:

(A) opinião apoiada em exemplos

(B) alegação partilhada por muitos

(C) construção caracterizada como dialética

(D) definição baseada em elementos válidos

Gabarito comentado: (A)

No quarto parágrafo, o autor defende sua opinião de que “toda boa história de super-herói é uma história de exclusão social”. Para isso, usa exemplos de super-heróis que são excluídos sociais, como Homem-aranha, Hulk, Batman e os X-men.

 

2) (Uerj / 2009 – Exame de Qualificação) A utilização de testemunhos autorizados, como o de Fellini, é uma conhecida estratégia retórica. O uso dessa estratégia produz, no texto, o efeito de:

(A) oposição entre estilos diversificados

(B) exemplificação de opiniões variadas

(C) delimitação de um contraponto temporal

(D) confirmação dos posicionamentos do autor

Gabarito comentado: (D)

O argumento de autoridade, como o enunciado da questão afirma, é uma conhecida estratégia argumentativa. Ele dá credibilidade à tese defendida, ao fazer com que o texto se apoie em um testemunho de alguém com autoridade para emitir opiniões em uma determinada área do conhecimento. Ao trazer para o seu texto a afirmação de um cineasta sobre um criador de histórias em quadrinhos (“Stan Lee era o Homero dos quadrinhos”), o autor confirma aquilo que é também a sua opinião: “Os filmes de super-herói (…) realizam uma outra façanha (…): a formação de novas mitologias reafirmando os mesmos ideais heroicos da Antiguidade para o homem moderno”

 

Texto para a questão 8

 

O mundo para todos

 

            Durante debate recente, nos Estados Unidos, fui questionado sobre o que pensava da internacionalização da Amazônia. O jovem introduziu sua pergunta dizendo que esperava a resposta de um humanista e não de um brasileiro. Foi a primeira vez que um debatedor determinou a ótica humanista como o ponto de partida para uma resposta minha.

De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazônia. Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse patrimônio, ele é nosso. Respondi que, como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a Amazônia, podia imaginar a sua internacionalização, como também de tudo o mais que tem importância para a Humanidade. Se a Amazônia, sob uma ótica humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro. O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazônia para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no direito de aumentar ou diminuir a extração de petróleo e subir ou não o seu preço. Os ricos do mundo, no direito de queimar esse imenso patrimônio da Humanidade.

Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser internacionalizado. Se a Amazônia é uma reserva para todos os seres humanos, ela não pode ser queimada pela vontade de um dono, ou de um país. Queimar a Amazônia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões arbitrárias dos especuladores globais. Não podemos deixar que as reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação.

Antes mesmo da Amazônia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França. Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo gênio humano. Não se pode deixar que esse patrimônio cultural, como o patrimônio natural amazônico, seja manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário ou de um país. Não faz muito, um milionário japonês decidiu enterrar com ele um quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter sido internacionalizado.

Durante o encontro em que recebi a pergunta, as Nações Unidas reuniam o Fórum do Milênio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em comparecer por constrangimentos na fronteira dos EUA. Por isso, eu disse que Nova York, como sede das Nações Unidas, deveria ser internacionalizada. Pelo menos Manhatan deveria pertencer a toda a Humanidade. Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com sua beleza especifica, sua história do mundo, deveria pertencer ao mundo inteiro.

Se os EUA querem internacionalizar a Amazônia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos todos os arsenais nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil. Nos seus debates, os atuais candidatos à presidência dos EUA têm defendido a ideia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da dívida.

Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do mundo tenha possibilidade de ir à escola. Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não importando o país onde nasceram, como patrimônio que merece cuidados do mundo inteiro. Ainda mais do que merece a Amazônia.

Quando os dirigentes tratarem as crianças pobres do mundo como um patrimônio da Humanidade, eles não deixarão que elas trabalhem quando deveriam estudar; que morram quando deveriam viver. Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo. Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazônia seja nossa. Só nossa.

BUARQUE, Cristovam. O Globo, 23/10/2000.

8) (Uerj / 2003 – Exame de Qualificação) Cristovam Buarque, ao revelar os interesses ocultos na defesa da internacionalização da Amazônia, utiliza um recurso argumentativo conhecido como “redução ao absurdo”. Esse recurso consiste na aceitação inicial de uma proposição para dela extrair decorrências absurdas ou inaceitáveis. O trecho que melhor exemplifica o uso deste recurso, em relação à proposta de internacionalização, é:

(A) “Não podemos deixar que as reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação.”

(B) “Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo gênio humano.”

(C) “Não se pode deixar que esse patrimônio cultural, como o patrimônio natural amazônico, seja manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário ou de um país.”

(D) “Se os EUA querem internacionalizar a Amazônia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos todos os arsenais nucleares dos EUA.”

Gabarito comentado: (D)

Ao longo de seu texto, Cristovam Buarque, utiliza diversas vezes a redução ao absurdo como estratégia argumentativa, quando afirma que deveriam internacionalizar, assim como querem fazer com a Amazônia, vários outros patrimônios, como as reservas de petróleo, o capital financeiro, os grandes museus do mundo, Nova York, os arsenais nucleares e as crianças pobres do planeta. Ao fazer isso, ele explica o motivo pelo qual deveríamos internacionalizar esses itens. Nas três primeiras alternativas o que temos são essas justificativas, a única que apresenta a redução ao absurdo é a D, em que primeiro há aceitação inicial de uma proposição (“Se os EUA querem internacionalizar a Amazônia”) e, depois, a extração de decorrências absurdas ou inaceitáveis (“internacionalizemos todos os arsenais nucleares dos EUA”).

à Métodos de Raciocínio (P. 34 e 35)

 

Texto para a questão 1

 

A pátria

 

            “Desde dezoito anos que o tal patriotismo lhe absorvia e por ele fizera a tolice de estudar inutilidades. Que lhe importavam os rios? Eram grandes? Pois que fossem… Em que lhe contribuiria para a felicidade saber o nome dos heróis do Brasil? Em nada… O importante é que ele tivesse sido feliz. Foi? Não. Lembrou-se das suas cousas de tupi, do folklore, das suas tentativas agrícolas… Restava disso tudo em sua alma uma satisfação? Nenhuma! Nenhuma!

O tupi encontrou a incredulidade geral, o riso, a mofa, o escárnio; e levou-o à loucura. Uma decepção. E a agricultura? Nada. As terras não eram ferazes e ela não era fácil como diziam os livros. Outra decepção. E, quando o seu patriotismo se fizera combatente, o que achara? Decepções. Onde estava a doçura de nossa gente? Pois ele não a viu combater como feras? Pois não a via matar prisioneiros, inúmeros? Outra decepção. A sua vida era uma decepção, uma série, melhor, um encadeamento de decepções.

A pátria que quisera ter era um mito; era um fantasma criado por ele no silêncio do seu gabinete. Nem a física, nem a moral, nem a intelectual, nem a política que julgava existir, havia. A que existia de fato, era a do Tenente Antonino, a do doutor Campos, a do homem do Itamarati.

E, bem pensando, mesmo na sua pureza, o que vinha a ser a Pátria? Não teria levado toda a sua vida norteado por uma ilusão, por uma ideia a menos, sem base, sem apoio, por um Deus ou uma Deusa cujo império se esvaía? Não sabia que essa ideia nascera da amplificação da crendice dos povos greco-romanos de que os ancestrais mortos continuariam a viver como sombras e era preciso alimentá-las para que eles não perseguissem os descendentes? Lembrou-se do seu Fustel de Coulanges… Lembrou-se de que essa noção nada é para os Menenanã, para tantas pessoas… Pareceu-lhe que essa ideia como que fora explorada pelos conquistadores por instantes sabedores das nossas subserviências psicológicas, no intuito de servir às suas próprias ambições…

Reviu a história; viu as mutilações, os acréscimos em todos os países históricos e perguntou de si para si: como um homem que vivesse quatro séculos, sendo francês, inglês, italiano, alemão, podia sentir a Pátria?

Uma hora, para o francês, o Franco-Condado era terra dos seus avós, outra não era; num dado momento, a Alsácia não era, depois era e afinal não vinha a ser.

Nós mesmos não tivemos a Cisplatina e não a perdemos; e, porventura, sentimos que haja lá manes dos nossos avós e por isso sofremos qualquer mágoa?

Certamente era uma noção sem consistência racional e precisava ser revista.”

BARRETO, Lima.Triste fim de Policarpo Quaresma. São Paulo: Brasiliense, 1986.

1) (Uerj / 2001 – Exame de Qualificação) O personagem Policarpo Quaresma, no trecho acima, se encontra preso, prestes a ser executado pelo exército de Floriano Peixoto, por ter escrito uma carta ao presidente protestando contra o assassinato de prisioneiros. Antes de ser executado, ele reflete sobre a noção de pátria. Nos dois primeiros parágrafos, ele parte de suas próprias experiências, o que configura o seguinte método de raciocínio:

(A) indutivo, pensando do particular para o geral

(B) dedutivo, pensando do abstrato para o concreto

(C) dialético, pensando a partir das suas contradições

(D) sofismático, pensando do geral para o particular

Gabarito comentado: (A)

 

No momento de reflexão sobre a pátria, o personagem começa pelas suas experiências particulares (“Desde dezoito anos que o tal patriotismo lhe absorvia e por ele fizera a tolice de estudar inutilidades (…) Lembrou-se das suas cousas de Tupi, de Folklore, das suas tentativas agrícolas…”) e, em seguida, chega a uma ideia geral sobre o Brasil (“E, quando o seu patriotismo se fizera combatente, o que achara? Decepções. Onde estava a doçura de nossa gente? (…) A pátria que quisera ter era um mito…”) Usa, portanto, o método indutivo, caracterizado pela passagem do particular para o geral.

 

Texto para a questão 2

 

O problema não é a escassez de recursos

 

            Assessor da ONU para o Desenvolvimento Sustentável, José Carlos Libânio diz que o levantamento sobre as condições de vida no Rio demonstra que a relação da instituição com o Brasil se dará cada vez mais no campo da informação e menos no de recursos financeiros.

O GLOBO: Por que o Rio foi escolhido para ter o primeiro Relatório de Desenvolvimento Humano de uma cidade?

JOSÉ CARLOS LIBÂNIO: Primeiro, pela oferta de recursos intelectuais, que permitiu não só a criação de novos indicadores, como também desagregá-los. O Brasil foi o primeiro país a ter um índice para todas as cidades. Com a experiência, resolvemos enfrentar o desafio de fazer o mesmo em nível local. O Rio foi escolhido porque se destaca no imaginário nacional e mundial. Era preciso identificar suas peculiaridades e talentos para planejar o seu futuro.

Em que situação de desenvolvimento humano o Rio se encontra?

LIBÂNIO: Olhamos para a vida carioca por diversos prismas e aparece uma cidade inusitada. Está entre as quatro capitais com melhores condições de vida. Mas, se comparada a outras capitais, sofre uma intensa desproporção de renda. Em termos de desigualdades, está em 11º. Fica claro que a dificuldade da cidade é a repartição dos recursos. A Zona Sul, por exemplo, tem renda per capita cinco vezes maior do que a Zona Norte.

Os problemas do Rio atingem a todos da mesma maneira?

LIBÂNIO: A vantagem do relatório é justamente olhar a informação desagregada, fechando o zoom do microscópio, para identificar onde a cidade está bem e onde não está. Médias, normalmente, mais escondem do que revelam. Não podemos supor, por exemplo, que todas as áreas pobres da cidade têm as mesmas condições de saneamento e acesso à água.

Como a ONU espera que o relatório seja aproveitado?

LIBÂNIO: O Brasil está se graduando junto à ONU e ao Banco Mundial. Isso significa que virão menos recursos a fundo perdido destes dois organismos. Vai ser preciso que haja mobilização da sociedade, porque vemos que o problema não é a escassez de recursos. A tendência é de que a ONU mande mais recursos para África e Ásia. Para o Brasil, os recursos serão mandados em ordem decrescente. O país poderá continuar contando com a ONU, mas a colaboração para o desenvolvimento se dará cada vez mais no campo da informação e menos da mobilização dos recursos financeiros.

LIBÂNIO, José Carlos. O Globo, 24/03/2001.

2) (Uerj/Uenf / Sade / 2003 – Exame de Qualificação) Médias, normalmente, mais escondem do que revelam. Não podemos supor, por exemplo, que todas as áreas pobres da cidade têm as mesmas condições de saneamento e acesso à água.

O trecho transcrito acima critica um uso específico do seguinte método de raciocínio:

(A) dedutivo

(B) dialético

(C) indutivo

(D) silogístico

Gabarito comentado: (C)

O cálculo de médias está associado ao raciocínio indutivo porque parte de diversos casos particulares para se chegar a um número geral, que valerá para toda uma realidade. Por exemplo: imagine que, no boletim escolar, João tirou 10 em português, 8 em história, 8 em estudos sociais, 2 em matemática e 2 em ciências; sua média geral será 6. Já Maria tirou 6 em todas as matérias, de modo que sua média geral será também 6. Esse método em que as notas particulares de cada disciplina geram uma média geral que englobará todas as disciplinas “mais esconde do que revela” porque, pela média, parece que Maria e João são o mesmo tipo de aluno, já que têm a mesmíssima média. Contudo, ao ver as notas particulares, constatamos que João é muito bom em humanas e muito ruim em exatas, ao passo que Maria não é excelente em nada, mas também não é péssima em nada. A média, portanto, escondeu a grande diferença entre os desempenhos dos dois alunos.

 

 

à Coesão Referencial (P. 57 e 58)

 

Texto para a questão 5

 

A inteligência do herói estava muito perturbada. Acordou com os berros da bicharia lá em baixo nas ruas, disparando entre as malocas temíveis. E aquele diacho de sagüi-açu (…) não era sagüim não, chamava elevador e era uma máquina. De-manhãzinha ensinaram que todos aqueles piados berros cuquiadas sopros roncos esturros não eram nada disso não, eram mas cláxons campainhas apitos buzinas e tudo era máquina. As onças pardas não eram onças pardas, se chamavam fordes hupmobiles chevrolés dodges mármons e eram máquinas. Os tamanduás os boitatás as inajás de curuatás de fumo, em vez eram caminhões bondes autobondes anúncios-luminosos relógios faróis rádios motocicletas telefones gorjetas postes chaminés… Eram máquinas e tudo na cidade era só máquina! O herói aprendendo calado. De vez em quando estremecia. Voltava a ficar imóvel escutando assuntando maquinando numa cisma assombrada. Tomou-o um respeito cheio de inveja por essa deusa de deveras forçuda, Tupã famanado que os filhos da mandioca chamavam de Máquina, mais cantadeira que a Mãe-d’água, em bulhas de sarapantar.

Então resolveu ir brincar com a Máquina pra ser também imperador dos filhos da mandioca. Mas as três cunhãs deram muitas risadas e falaram que isso de deuses era gorda mentira antiga, que não tinha deus não e que com a máquina ninguém não brinca porque ela mata. A máquina não era deus não, nem possuía os distintivos femininos de que o herói gostava tanto. Era feita pelos homens. Se mexia com eletricidade com fogo com água com vento com fumo, os homens aproveitando as forças da natureza. Porém jacaré acreditou? nem o herói!

(…)

Macunaíma passou então uma semana sem comer nem brincar só maquinando nas brigas sem vitória dos filhos da mandioca com a Máquina. A Máquina era que matava os homens porém os homens é que mandavam na Máquina… Constatou pasmo que os filhos da mandioca eram donos sem mistério e sem força da máquina sem mistério sem querer sem fastio, incapaz de explicar as infelicidades por si. Estava nostálgico assim. Até que uma noite, suspenso no terraço dum arranhacéu com os manos, Macunaíma concluiu:

– Os filhos da mandioca não ganham da máquina nem ela ganha deles nesta luta. Há empate.

(…)

ANDRADE, Mário de. Macunaíma, o herói sem nenhum caráter. Belo Horizonte: Itatiaia, 1986.

5) (Uerj/2009 – Exame de Qualificação) Alguns vocábulos possuem a propriedade de retomar integralmente uma idéia já apresentada antes. Essa propriedade é observada no vocábulo grifado em:

(A) “Acordou com os berros da bicharia em baixo”

(B) “Tomou-o um respeito cheio de inveja”

(C) “Então resolveu ir brincar com a Máquina”

(D) “Estava nostálgico assim.”

Gabarito comentado: (D)

A nostalgia que toma conta de Macunaíma é expressa na constatação que o herói faz acerca do tipo de relação existente entre a máquina e os homens. O vocábulo “assim” faz referência a essa forma de expressar o estado nostálgico. (Fonte: Revista Eletrônica do Vestibular)

 

Texto para a questão 6

 

As palavras e as coisas

 

            Guimarães Rosa, possivelmente o maior escritor brasileiro depois de Machado de Assis, dizia que seu sonho era escrever um dicionário.

Ignoro se Rosa gostava de futebol (até onde eu sei, nunca escreveu nada a respeito), mas certamente ele se encantaria com a riqueza vocabular associada ao esporte mais popular do mundo.

Poliglota, cultor dos neologismos formados a partir de diversos idiomas, o autor de “Sagarana” devia se deliciar com as palavras de origem inglesa aclimatadas ao português do Brasil por obra e graça do jogo da bola.

É certo que alguns desses termos ingleses caíram em de suso. É o caso de “off-side” (substituído por “impedimento”), “hands” (“toque” ou “mão”), “centerforward” (“centroavante”) etc.

Outros, entretanto, foram devidamente abrasileirados e incorporados de tal maneira ao nosso idioma que raramente lembramos de sua origem: “chute” (versão de “shoot”), “beque” (de “back”), “pênalti” (de “penalty”) etc., sem falar no próprio “futebol” (“football”).

Há ainda as palavras inglesas que mantiveram uma vigência praticamente apenas regional, como “córner”, ainda muito usada no Rio de Janeiro, mas substituída no resto do país por “escanteio”, “tiro de canto” ou somente “canto”.

Rosa, se acompanhasse o futebol, se deliciaria com a variedade de metáforas produzidas para dar conta do que acontece dentro das quatro linhas.

Há, por exemplo, o recurso a uma infinidade de objetos cujo formato ou movimento lembra o de certas jogadas: carrinho, chapéu, bicicleta, janelinha (expressão gaúcha para bola entre as pernas), ponte. Mas o ramo mais bonito, do ponto de vista de um escritor, deve ser o das metáforas extraídas da natureza: meia-lua, frango, peixinho, folha seca.

Ao criar uma jogada dessas – como Didi, que “inventou” a folha seca -, ou executá-la com perfeição, um craque faz poesia pura, rivalizando com Deus e nomeando as coisas como se estivesse no primeiro dia da Criação.

Guimarães Rosa, infelizmente, não produziu seu sonhado dicionário.

Nunca saberemos, portanto, se o homem que criou a saga fantástica de Riobaldo e Diadorim sabia o significado, dentro do campo de futebol, de uma chaleira, um lençol, um chaveirinho ou um corta-luz. (…)

COUTO, José Geraldo, Folha de São Paulo, 17/07/02.

6) (Cederj/2007 – Questões objetivas) Um dos recursos de coesão textual é o uso de vocábulos sinônimos ou quase sinônimos, a fim de evitar a repetição literal de um termo. No texto, ao utilizar essa estratégia, o autor substituiu a palavra “futebol” por:

(A) esporte;

(B) jogo da bola;

(C) quatro linhas;

(D) campo de futebol;

(E) jogada.

Gabarito comentado: (B)

Como todo o texto trata do assunto “futebol”, o autor substitui esta palavra por outras para evitar repetição. Ele faz isso no segundo parágrafo com a expressão “esporte mais popular do mundo” e no terceiro parágrafo com a expressão “jogo da bola”.

Texto para a questão 7

 

Qual será o futuro das cidades?

 

            As megacidades vão mudar de endereço no próximo milênio.

Na periferia da globalização, as metrópoles subdesenvolvidas concentrarão não apenas população, mas também miséria. Crescendo num ritmo veloz, dificilmente conseguirão dar a tantas pessoas habitação, transportes e saneamento básico adequados. Mas não serão as únicas a enfrentar esses problemas. Mesmo metrópoles do topo da hierarquia global, como Nova York, já sofrem com congestionamentos, poluição e violência.         Independentemente de tamanho ou localização, as cidades vão enfrentar ao menos um desafio comum: o aumento da tensão urbana provocado pela crescente desigualdade entre seus moradores. Não há mágica tecnológica à vista capaz de resolver as dificuldades. Os urbanistas apontam o planejamento como antídoto para o caos. Os governos precisam apostar em parcerias com a iniciativa privada e a sociedade civil. Será necessário coordenar ações locais e iniciativas conjuntas entre cidades de uma mesma região.

Caderno Especial, Folha de São Paulo, p.1, 02/5/1999

7) (UFF/2000 – 2ª Etapa) A coesão referencial pode ser realizada por meio de formas cujo lexema (radical) forneça instrução de sentido que represente uma interpretação de partes antecedentes do texto.

Exemplo: Imagina-se que, no futuro, haverá aumento das tensões urbanas. Essa hipótese tem preocupado os cientistas sociais.

Transcreva, do texto acima, apenas a expressão que, na coesão referencial, exerce papel semelhante à do trecho sublinhado no exemplo acima.

Gabarito comentado: “…esses problemas…”

Depois de tratar de alguns problemas enfrentados pelas metrópoles subdesenvolvidas, como a falta de habitação, transporte e saneamento básico, o autor afirma que “esses problemas” também serão enfrentados por grandes metrópoles, como Nova York. A expressão “esses problemas” cumpre a mesma função da expressão “essa hipótese”, ao retomar um elemento já citado antes.

CategoriasPortuguês

Vestibuar 2012-2 RELAÇÃO CANDIDATO/VAGA

ImagemImagemImagem

CategoriasInformações

ImagemImagemImagem

CategoriasInformações

Universidades Públicas a Distância: Vestibular CEDERJ 2012/2

Inscrições Abertas: Estão abertas as inscrições para o Vestibular do Consórcio Cederj com mais de 06 mil vagas para cursos de graduação a distância das principais instituições públicas de ensino superior do estado do Rio de Janeiro: UENF, UERJ, UFF, UFRJ, UFRRJ, UNIRIO e CEFET. As inscrições devem ser realizadas pela página do Cederj na internet até dia 20 de maio: http://www.vestibular.cederj.edu.br/. A taxa custa R$45 e o seu pagamento deverá ser realizado impreterivelmente até dia 21 de maio, através do boleto bancário a ser impresso a partir da própria página de inscrição no vestibular.
Casos especiais: Alunos do Pré-Vestibular Social que tiverem mais de 75% de frequência e que já concluíram o Ensino Médio terão direito à isenção do pagamento desta taxa. A lista dos alunos do PVS isentos deste pagamento será divulgada 10 de maio, por isso, recomendamos aos alunos do PVS que desejam se inscrever no Vestibular CEDERJ que aguardem a divulgação desta lista para, somente então, realizar sua inscrição. ATENÇÃO: a isenção da taxa não implica a inscrição automática. É preciso que o aluno do PVS se inscreva no Vestibular CEDERJ 2012.2, escolhendo o curso e o polo de graduação onde deseja estudar.
Sobre o Consórcio CEDERJ: Estabelecido há 12 anos, o Consórcio Cederj que reúne as 6 universidades públicas e o CEFET e o Governo do Estado, através da Fundação Cecierj (Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro), da Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia, constitui uma das maiores referências em Ensino a Distância no Brasil,
responsável pelo pioneirismo do Estado do Rio neste assunto. Atualmente, a entidade conta com cerca de 30 mil alunos matriculados. É mais uma oportunidade gratuita e de qualidade para quem deseja ingressar no Ensino Superior.
Cursos, vagas e polos: Estão sendo oferecidas vagas em Administração; Administração Pública; Tecnologia em Sistemas de Computação; Tecnologia em Gestão de Turismo e as várias licenciaturas em: Ciências Biológicas; Física; História; Letras; Matemática; Pedagogia; Química e Turismo. Os cursos são oferecidos em todas as regiões do estado, com o apoio dos 33 Polos Cederj.
Chamamos atenção aos alunos da região metropolitana do Rio para o novo polo da Rocinha, que acabou de ser inaugurado no início deste ano (2012).
O quadro de vagas com o número de vagas por curso em cada polo e a indicação das Universidades que coordenam e diplomam estes cursos, assim como o Manual do Candidato 2012-2 e o Edital 2012-2 estão em anexo.
Vagas Enem – Os candidatos que desejarem concorrer utilizando a nota do Enem 2011 deverão, obrigatoriamente, informar no formulário de inscrição ao Vestibular CEDERJ 2012.2 seu número de inscrição no Enem 2011. O resultado será divulgado no dia 11/6 no site http://www.cederj.edu.br/ e o candidato classificado pelo Enem 2011 será informado desta condição no C.C.I. Caso não obtenha classificação via nota no Enem 2011 o candidato deverá realizar as provas do vestibular no dia 16/6.2
Atenção à Relação Candidato / Vaga: É importante que os alunos residentes nas proximidades de mais de um polo, avaliem cuidadosamente a relação candidato / vaga dos polos escolhidos, pois em alguns casos a concorrência pode ser dramaticamente ampliada ou reduzida, de acordo com esta escolha. Como o exemplo que destacamos melhor no texto “Relação Candidato/Vaga – Vestibular CEDERJ – Orientações”, para o curso de História em Duque de Caxias (Relação Candidato/Vaga 2011 = 17,28) ou em Miguel Pereira (Relação Candidato/Vaga 2011 = 2,84), polos que distam cerca de apenas 01 hora um do outro.
Metodologia: Ao implementar a metodologia de educação a distância, o Consórcio Cederj permite o acesso ao ensino daqueles que vêm sendo excluídos do processo educacional superior público por morarem longe das universidades ou por indisponibilidade de tempo nos horários tradicionais de aula. Os cursos de graduação a distância possibilitam que o aluno estude no local e horário de sua preferência, seguindo um cronograma próprio. Para isso, ele conta com material didático especialmente elaborado, além do apoio de tutoria presencial, nos próprios polos, e a distância, por telefone (0800) ou pela internet. Não há aulas presenciais diárias, mas algumas disciplinas exigem um número mínimo de presença no polo para a execução das aulas práticas de laboratório, trabalho de campo, trabalhos em grupo, além dos estágios curriculares obrigatórios.
Cartão de Confirmação de Inscrição (CCI) e Prova: A prova será realizada no dia 16 de junho de 2012 (sábado), com início às 9 horas e duração de 5 horas, devendo o candidato apresentar-se no local de sua realização com, no mínimo, 1 hora de antecedência (8 horas), sendo os portões fechados às 8h 50min. Os candidatos farão as provas nos municípios dos polos regionais para o qual tiverem se inscrito. O local exato da prova será informado no Cartão de Confirmação de Inscrição (CCI). Os candidatos que tiverem sua inscrição confirmada deverão obter seus Cartões de Confirmação de Inscrição (CCI) no período de 11 a 15 de junho de 2012, exclusivamente na página http://www.cederj.edu.br (e não por Correios!!!) não havendo nenhuma outra modalidade de comunicação para confirmação da inscrição, por parte da Fundação CECIERJ. É necessário, portanto, que no período estipulado, os candidatos acessem o site http://www.cederj.edu.br para poder ter acesso ao seu CCI. Já ocorreu, em outros anos, de candidatos perderem a prova por não saberem seu local de prova, alegando estar aguardando notificação via Correios. Devemos ficar atentos!
Matrículas: De acordo com o cronograma do Vestibular CEDERJ 2012/2, as matrículas ocorrerão entre 11 e 20 de julho de 2012. Só será matriculado o candidato que, de acordo com a legislação em vigor, houver concluído o Ensino Médio ou curso equivalente, perdendo o direito à vaga aquele que não apresentar, no ato da matrícula, prova de escolaridade do Ensino Médio ou equivalente, devendo tal comprovação ser feita mediante apresentação de histórico escolar e certificado de conclusão de Ensino Médio ou curso equivalente, não sendo aceita outra prova de escolaridade, ainda que de nível superior.
É recomendável que o candidato observe as informações contidas no Manual do Candidato 2012-2 e no Edital 2012-2 (ambos em anexo) para maiores detalhes sobre a prova e todos os cursos oferecidos pelo Consórcio CEDERJ. Em caso de dúvidas nesta leitura, recomendamos que os alunos do PVS consultem seu Orientador Acadêmico.

CategoriasInformações

Mais exercícios sobre prática de leitura e coesão.

Texto I

Imagem

1. O anúncio, ao se iniciar com uma pergunta, contida em “Adivinha quem faz aniversário dia 25”, estabelece um jogo com o leitor. Que expressões do enunciado confirma a ideia de jogo?

2. Na parte inferior do anúncio, em letras menores, revela-se a homenagem que o anúncio presta. Quem é o homenageado?

3. Por que São Pedro é criticado?

4. Considerando-se esses dados, as expressões usadas no anúncio (“está frio”, “está esquentando”, “está quente”, “está esfriando”) ganham novo sentido? Justifique.

5. O anúncio quase não apresenta elementos coesivos. Apesar disso, pode-se dizer que ele é coerente? Justifique.

Texto II

PAÍS DA VIOLÊNCIA

Ninguém desconhece que a violência urbana e a criminalidade atingiram no Brasil um nível dramático. Nas grandes cidades, perder a vida em situações rotineiras, ao abrir a porta de casa ou ao parar o automóvel num sinal de trânsito, tornou-se um fato lamentavelmente frequente. A sociedade indigna-se, familiares protestam, ONGs promovem atos pela paz, mas nenhuma mudança mais animadora se vê no horizonte. Duas reportagens publicadas pela Folha no início da semana mostraram aspectos chocantes desse ambiente de medo e selvageria.

Na primeira delas, apresentaram-se as estatísticas dos sequestros no Estado de São Paulo – crime cuja incidência aumentou no início do ano. Mais do que empresários, as principais vítimas são estudantes, cujo resgate será cobrado de pais em desespero. Um deles declarou que, depois de ter um filho de 19 anos sequestrado, providenciou a blindagem dos veículos usados pelos membros da família e determinou que, se abordados por criminosos, “passassem por cima”. A recomendação traduz um pouco do estado de espírito que se vai apoderando de pessoas traumatizadas pela insegurança.

Na segunda reportagem, publicada ontem, noticiou-se que a cada 17 horas um policial civil ou militar é vítima de homicídio no Brasil. Entre janeiro e a primeira quinzena de julho, pelo menos 281 policiais civis e militares foram mortos. A título de comparação, nos Estados Unidos, 34 policiais foram assassinados no mesmo período. Na Colômbia, onde tem lugar uma guerrilha, 65. No Reino Unido, apenas um.

Os números mostram que, das polícias do mundo, a brasileira é uma das que mais mata. Mas está também entre as que mais perdem agentes assassinados -a maior parte deles, diga-se, fora de serviço regular, em “bicos” como seguranças ou vítimas de vinganças. São cifras alarmantes, que dão razão àqueles que comparam a violência brasileira à de uma verdadeira guerra civil.

(Folha de S.Paulo, 4/8/2004)

6. O texto II é um editorial, gênero em que jornais e revistas expressam sua opinião sobre temas diversos. Nesse texto, cujo assunto é violência no Brasil, é feita, no 1º parágrafo, referência a duas reportagens publicadas anteriormente pelo jornal. Identifique nos parágrafos seguintes as expressões que retomam os dados publicados por essas reportagens, garantindo a coesão entre as partes do texto.

7. Identifique no texto o termo a que se refere cada uma das expressões:

a)      Um deles (2º parágrafo).

b)      A maior parte deles (4º parágrafo).

c)      Uma das (4º parágrafo).

d)     Ambiente de medo e selvageria (1º parágrafo).

8. A que dados se referem os substantivos números e cifras, no 4º parágrafo?

9. No 2º parágrafo, a palavra recomendação retoma no texto a orientação dada por um pai à família. Qual é a frase que é retomada?

10. No texto, nota-se a presença de vários marcadores temporais, o que é comum em textos jornalísticos, geralmente comprometidos com a precisão das informações. Alguns desses marcadores referem-se à data de publicação das reportagens a que o texto faz menção (“no início da semana”, “ontem”). Observe no 3º parágrafo o emprego de expressões como “Entre janeiro e a primeira quinzena de julho” e “no mesmo período”. Que importância têm esses marcadores para o desenvolvimento das ideias do texto?

Texto III

Como abrir um coco

Não é nada complicado. O único cuidado que se deve tomar antes de abrir a fruta é retirar de seu interior toda água – nunca a desperdice, pois é altamente nutritiva. Para isso, faça dois furos no coco, sempre naqueles “olhinhos” escuros, onde a casca é bem mais mole. Um saca-rolhas de canivete cumpre bem essa tarefa. Depois de retirada a água, basta abrir o coco no meio, ou batendo nele com um facão ou batendo-o contra algo bem duro – uma pedra por exemplo.

(Marcelo Duarte)

11. Como o objetivo do texto é ensinar a abrir um coco, é natural que a palavra coco e um substantivo equivalente, como é o caso de fruta, sejam empregados várias vezes, como meio de garantir a coesão textual.

a) Observe a segunda frase do texto. Que palavras retomam os termos fruta e água, evitando sua repetição?

b) Observe a terceira frase. Que palavras das frases seguintes retomam o termo coco, evitando sua repetição?

12. Observe o emprego da palavra onde e da expressão essa tarefa. Que elementos do texto, expressos anteriormente, elas retomam?

Gabarito

1. Expressões como “está frio” e “está quente” geralmente são usadas quando as respostas de quem está adivinhando algo se distanciam ou se aproximam da resposta correta.

2. A cidade de São Paulo (que faz aniversário em 25 de janeiro).

3. Porque no clima na cidade é muito instável e São Pedro é considerado popularmente como o santo responsável pelo tempo.

4. Além do sentido relacionado ao fato de alguém estar se aproximando mais ou menos da resposta correta, as expressões no anúncio referem-se à instabilidade climática da cidade.

5. Sim, é coerente. A coerência é dada pela frase da parte inferior do anúncio, que informa a homenagem à cidade de São Paulo, e pelo próprio contexto, já que nessa ocasião várias homenagens estavam sendo prestadas à cidade.

6. No 2º parágrafo, a expressão “Na primeira delas”; no 3º parágrafo, a expressão “Na segunda reportagem”; no último parágrafo, a expressão “os números”, que retoma os índices de violência das duas reportagens.

7.

a) Pais.

b) agentes assassinados.

c) polícias do mundo.

d) perder a vida em situações rotineiras.

8. Aos mortos no Brasil, nos Estados Unidos, na Colômbia e no Reino Unido.

9. A frase “passassem por cima”.

10. Eles precisam o momento em que ocorreram os assassinatos que servem de base para comparar a realidade brasileira com a de outros países.

11.

a) As palavras seu e a em “seu interior” e “nunca a desperdice”, respectivamente.

b) A palavra nele em “batendo nele” e o em “batendo-o”.

12. A palavra onde retoma “olhinhos escuros” e a expressão essa tarefa retoma “faça dois furos”.

CategoriasPortuguês

Exercícios sobre prática de leitura e coesão.

Texto

Circuito Fechado

Chinelos, vaso, descarga. Pia, sabonete. Água. Escova, creme dental, água, espuma, creme de barbear, pincel, espuma, gilete, água, cortina, sabonete, água fria, água quente, toalha. Creme para cabelo; pente. Cueca, camisa, abotoaduras, calça, meias, sapatos, gravata, paletó. Carteira, níqueis, documentos, caneta, chaves, lenço, relógio, maços de cigarros, caixa de fósforos. Jornal. Mesa, cadeiras, xícara e pires, prato, bule, talheres, guardanapos. Quadros. Pasta, carro. Cigarro, fósforo. Mesa e poltrona, cadeira, cinzeiro, papéis, telefone, agenda, copo com lápis, canetas, blocos de notas, espátula, pastas, caixas de entrada, de saída, vaso com plantas, quadros, papéis, cigarro, fósforo. Bandeja, xícara pequena. Cigarro e fósforo. Papéis, telefone, relatórios, cartas, notas, vales, cheques, memorandos, bilhetes, telefone, papéis. Relógio. Mesa, cavalete, cinzeiros, cadeiras, esboços de anúncios, fotos, cigarro, fósforo, bloco de papel, caneta, projetos de filmes, xícara, cartaz, lápis, cigarro, fósforo, quadro-negro, giz, papel. Mictório, pia, água. Táxi. Mesa, toalha, cadeiras, copos, pratos, talheres, garrafa, guardanapo, xícara. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Escova de dentes, pasta, água. Mesa e poltrona, papéis, telefone, revista, copo de papel, cigarro, fósforo, telefone interno, externo, papéis, prova de anúncio, caneta e papel, relógio, papel, pasta, cigarro, fósforo, papel e caneta, telefone, caneta e papel, telefone, papéis, folheto, xícara, jornal, cigarro, fósforo, papel e caneta. Carro. Maço de cigarros, caixa de fósforos. Paletó, gravata. Poltrona, copo, revista. Quadros. Mesa, cadeiras, pratos, talheres, copos, guardanapos. Xícaras, cigarro e fósforo. Poltrona, livro. Cigarro e fósforo. Televisor, poltrona. Cigarro e fósforo. Abotoaduras, camisa, sapatos, meias, calça, cueca, pijama, espuma, água. Chinelos. Coberta, cama, travesseiro.

(Ricardo Ramos)

1. À primeira vista, o texto “Circuito fechado” parece se limitar a uma simples enumeração de palavras. Em uma leitura mais atenta, entretanto, percebe-se que elas estão relacionadas pelo sentido e que formam uma história. Qual é o enredo desse conto?

2. Em geral, verbos, advérbios e locuções adverbiais constroem a sequência temporal de uma narrativa. Nesse conto, o autor usou esse recurso? Que recursos linguísticos ajudam o leitor a perceber a sequência temporal de “Circuito fechado”?

3. Quem é o personagem do texto e quais são suas características?

4. Leia o verbete:

Circuito

[Do lat. Circuitu]

Substantivo masculino

1. Contorno, periferia, circunferência.

2. Linha que limita qualquer área fechada; perímetro.

3. O que circunda; cinto, cerco, cerca: (…)

4. Giro, volta: (…)

5. V. circuito de palavras (…)

(Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Eletrônico – versão 5.0)

Com base na leitura do texto e no verbete, explique o título “Circuito fechado”.

Gabarito

1. O cotidiano de uma pessoa.

2. Não. Repetição de substantivos, adjetivos e locuções adjetivas que sugerem ações rotineiras.

3. Pode-se identificar uma personagem do sexo masculino pela nomeação de alguns objetos de seu uso pessoal (creme de barbear, pincel, gilete, gravata, paletó etc). Possivelmente, um executivo/publicitário: quadros, relatórios, memorandos, esboços de anúncios, revista, prova de anúncio, folheto etc. Provavelmente, de classe média: gravata, paletó, carro etc.

4. A narrativa tem por tema a rotina de um indivíduo, desde o momento em que ele acorda até a hora de dormir. É circular: as ações começam  e terminam num mesmo local, o quarto.

CategoriasPortuguês
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.